Poucas & Boas: João Dória sendo defendido por Aécio Neves é o fato inusitado da semana

O mundo não está interessado nos temporais que você encontrou. Ele quer saber se você trouxe o navio.
William McFee

Voltei
Jovens mancebos, manos, minas e monas, se o problema é falta de bom humor, vamos nós. De pé sem cair, deitado sem dormir! 

Dois preás
O vice-presidente Hamilton Mourão, primeiro na linha sucessória, é quem assumiria temporariamente a Presidência em caso da ausência do presidente da República. Na semana passada, o presida viajou para a Guiana onde se encontrou em Georgetown com o presidente do país vizinho, Mohamed Irfaan Ali.
Quem deveria ter assumido o governo era o general, mas Mourão havia viajado.
O segundo na linha sucessória é o presidente da Câmara Arthur Lira, mas esse também não assumiu o governo por também estar viajando.
Lá embaixo eu explico!


Rosas candidato
Quem enviou para a nossa coluna o anúncio de sua pré-candidatura a Deputado Federal é o amigo Luiz Rosas. Segundo ele, a aprovação aconteceu ontem em São Paulo, chancelada pela direção Nacional e Estadual do PROS.  “Vamos começar nossa caminhada e gostaria de construir nossas propostas para melhorias de nossa cidade e região com a participação de todos vocês. E a mudança começa pelo Congresso Nacional, através de decisões sobre temas que possibilitem a prosperidade de nossa gente.”

E o PSDB?
Conversando na manhã deste domingo com o ex-vereador Rafael Goffi, uma liderança regional dos tucanos, o mesmo aposta que o governador Rodrigo Garcia vai para o segundo turno, não importando se com o petista Fernando Haddad ou Márcio França do PSB. 
Há de se considerar que quem tem bala na agulha na disputa paulista, no caso, a máquina pública para direcionar recursos, é o PSDB e a possibilidade existe. 

Um dia após o outro
O mesmo não se pode dizer de João Dória, o alecrim dourado que nasceu no campo sem ser semeado. Pré-candidato à Presidência, ele ainda insiste em se posicionar como o melhor nome para aquela tão cogitada terceira via, mas a rejeição do tucano é tão grande que até Aécio Neves resolveu se posicionar a favor de seu desafeto, dizendo que Dória foi traído dentro do partido. Fogo no parquinho... hehehe

Tá de brinks?
João Dória sendo defendido por Aécio Neves é o fato inusitado da semana. Meu amigo jornalista Gregorio Peretta diria assim: "Tá de brinks?"  hehehe
Mas sabe o que é isso, meus prezados? É o medo do fim do ciclo, medo do PSDB ser totalmente pulverizado em 2022 e acabar se tornando um nano partido, culpa da vaidade e desorganização.Como diria Oscar Wilde: "Alguns causam felicidade aonde quer que vão; outros, sempre que se vão."

Ciro será decisivo
Vejo Ciro Gomes como o fiel da balança e vou explicar o porquê, meus prezados. Ciro Ferrreira Gomes, o cearense fake (nascido em Pindamonhangaba-SP), tem 8% nas pesquisa estimulada e 3% na espontânea. É um embrião de terceira via que não se desenvolve, mas sem ele muda muita coisa.
Há um movimento forte interno no PDT, onde deputados estão com medo de não conseguirem a reeleição e pedem para a cúpula retirar a candidatura do pedetista. Isso é algo muito viável nas atuais circunstâncias, vamos deixar claro.

Com quem será?
Considerando uma eventual retirada de Ciro do jogo político, passaríamos a monitorar outro comportamento do eleitorado, e eu lhes pergunto: para onde vão migrar esses votos? O cálculo acima apresenta um percentual em torno de 5%, que é volátil. Sob o ponto de vista das ideologias, o PDT já provou que não tem mais, tanto é que votou a favor do governo na PEC dos Precatórios em novembro do ano passado e irritou a oposição. Ciro disse que não foi ouvido na época.

Da idade da pedra lascada
Aliás, o presida e Ciro Gomes são bem primatas, quase canibais políticos e a diferença é que um caiu de paraquedas e o outro profere palestra em Harvard. Dar poder a eles é como dar revólver na mão de macaco.

O que quer o mercado?
Só quem é atento percebe a pauta que desliza do morde ao assopra em torno de Bolsonaro. Tipo assim: se não tem tu, vai tu mesmo, afinal tem verbas preparadas para quem sabe fazer direitinho a lição de casa. Não estamos falando aqui de propaganda em veículos, isso é dinheiro de pinga.
Cabe então aos interessados diretos nas eleições (classe empresarial e investidores estrangeiros) decidirem se continuam investindo no atual presidente (e isso seria mais gastos) ou mudar as cartas para a outra mesa. Ou como dizem na roça: ‘macuco no emborná’.

Efeito
Este domingo começou até que brando, mas de repente começaram a chegar das fontes informações de homicídios em toda a região, e eis aí o ‘calcanhar de aquiles’ do governo estadual. Mortes foram registradas em Pindamonhangaba, em Cunha, em Guaratinguetá...
E já que não tem como segurar essas informações em tempos de rede social, então deixa fluir. Tratar o problema da criminalidade vai além.

Causa
Há anos, governos federais e estaduais têm desaparelhado as polícias, não criam oportunidades, não promovem justiça social e interferem erroneamente na Educação. Agora tentam tapar o sol com a peneira.
O câncer social é um desequilíbrio de células como qualquer doença, e o recomendável é a cura na origem antes que se espalhe. O resultado disso está nas pesquisas: Dória não consegue ir além de 3% nas intenções de votos.
É lei de causa e efeito, meu cumpadi, se liga aí!

Caras Ligeiros
Com o sumiço de Mourão e Lira, que viajaram na ausência de Bolsonaro, quem a
cabou assumindo a Presidência foi o terceiro na linha sucessória, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Explico o porquê. Acontece que Hamilton Mourão e Arthur Lira pretendem se candidatar nas próximas eleições e quem deles assumisse temporariamente a Presidência correria o risco da inelegibilidade.
As más línguas nos corredores do Planalto dizem que os dois mataram dois preás com uma só ‘caixa-d’água’. Entendedores entenderão.

Para pensar
O ignorante afirma, o sábio duvida e o sensato reflete.
(Aristóteles)

 

Então, fica assim!
De meia em meia hora, uma melancia! Vazei!!!
Contatos: ocimarbarbosa@diarioimparcial.com.br